Como anda a alimentação dos seus filhos na quarentena?

Data da postagem: 15 de maio de 2020

Uma má alimentação na fase de desenvolvimento infantil pode ser muito prejudicial à saúde da criança. As consequências podem interferir mesmo quando ela chegar à fase adulta. Diante disso, como anda a alimentação dos seus filhos na quarentena?

Diversos estudos comprovam que o cérebro da criança que se alimenta bem tem desempenho melhor do que o das que não têm uma alimentação saudável. A criança se sai melhor tanto em relação a habilidades sociais quanto ao desempenho escolar.

As iniciativas de isolamento social fizeram com que a rotina alimentar de milhões de crianças fossem afetadas. A começar pelo fechamento das escolas. Poucos se dão conta dessa realidade, mas a merenda escolar é a principal refeição do dia para muitos estudantes em situação de pobreza. A ONU, inclusive, estimou que a merenda escolar faria falta para pelo menos 14 milhões de crianças no Brasil. Por isso as escolas foram autorizadas a distribuir cestas básicas aos alunos que mais precisassem.

Por outro lado, as crianças que comem em excesso também podem ter a saúde comprometida se, durante a quarentena, a sua alimentação não for equilibrada. Isso porque a obesidade infantil também é uma realidade no Brasil. Nesse sentido, o papel dos pais é fundamental no controle e manutenção dessa alimentação.

Sendo assim, trouxemos algumas dicas práticas que podem ajudar nessa tarefa de cuidar da alimentação dos pequenos. Acompanhe para saber mais e garantir que seu filho ou filha terão uma alimentação saudável durante a quarentena.

Cuidado com os industrializados

Todo pai moderno fica tentado a preparar alimentos instantâneos ou “tapar” a fome da criança com produtos industrializados. Entre eles, estão os salgadinhos, bolachas, massas, entre outros. Porém, se você realmente quer que seu filho se alimente bem e cresça saudável, precisa fazer esse sacrifício.

Para começar, não leve a criança ao mercado (muito menos em tempos de quarentena, né?). Você sabe que ela vai querer produtos industrializados e você provavelmente vai ter dificuldade em dizer “não”. A notícia boa é que você não precisa proibí-los de ingerir industrializados, pode apenas controlar para que seu consumo seja porcionado e exceção, ao invés de regra.

Deixe as frutas no jeito

No período entre uma refeição e outra, quando a criança sentir vontade de comer e você quiser evitar que ela coma qualquer bobagem, deixe as frutas que ele gosta à disposição dela e prontas para o consumo. No entanto, não se esqueça de higienizá-las muito bem antes.

Ofereça água

Até os 6 meses de idade, somente o leite materno deve ser dado ao bebê, depois disso, água é regra. Não só as crianças, mas os adultos precisam beber água constantemente para manter o organismo funcionando bem (falamos sobre isso no post sobre imunidade). Sempre que se lembrar, ofereça água para a criança (e aproveite para beber também). Compensa até investir em um copo colorido, do personagem que a criança mais gosta, para incentivá-la a se hidratar.

Aposte na alimentação lúdica

A alimentação lúdica consiste em transformar a hora de comer em hora de brincar. Ela pode ser praticada de várias formas, sempre incluindo alimentos saudáveis. Você pode colocar uma fruta, verdura ou legume nas mãos da criança para ela brincar ainda quando bebê (nada com que ela possa engasgar). Nessa fase, ela tende a colocar tudo na boca. Se os legumes e verduras entrarem na rotina da criança a partir dos 6 meses de idade, há mais chances dela se habituar a ingeri-los enquanto crescem.

Outra opção é preparar um prato com alimentos de diversas cores. O colorido é sempre mais atraente para as crianças. A estética pode fazer com que elas fiquem mais animadas para comer. Também é valido usar a criatividade e fazer formas geométricas ou personagens usando o alimento. É um incentivo para sua criança comer bem.

Mais uma alternativa é pedir para a criança ajudar na preparação do alimento. É claro que somente para fazer tarefas que não apresentem perigo (nada de deixar a criança perto do fogo). As crianças gostam de se envolver em certos “desafios” e até mesmo acabam se tornando experimentadores aventureiros.

Suplementação

Se sua criança se recusa a comer e parece não sentir fome, é válido apelar para uma suplementação que ajude, pelo menos, a compensar a ausência de certos nutrientes e manter sua imunidade. O óleo de fígado de bacalhau é um suplemento que compensa a falta de vitamina A e D3 e ainda ajuda a estimular o apetite da criança. Vale ressaltar que é importante consultar um médico antes de iniciar o uso de qualquer suplemento.

Seja o exemplo

Por último, mas talvez a mais importante de todas as orientações: você precisa dar o exemplo de uma boa alimentação para os seus pequenos. A essa altura do campeonato você já deve saber que a criança observa e quase sempre imita tudo o que você faz. Com os hábitos alimentares não é diferente. Sendo assim, você precisa incluir frutas, verduras e legumes na sua alimentação antes de exigir que ela tenha hábitos alimentares saudáveis.

Categorias: ,